Compartilhar facebook
Compartilhar twitter
Compartilhar whatsapp
Compartilhar telegram

Retenções em Andorra e CDI com Espanha

Uma VPN é um componente essencial da segurança de TI, esteja você apenas começando um negócio ou já está em funcionamento. A maioria das interações e transações comerciais acontece on-line e VPN

Quando uma receita, um ativo, um produto ou serviço ou, em suma, uma ação sujeita a tributação está sujeita a ser tributada em duas ou mais jurisdições diferentes, há um conflito de dupla tributação. Os dois países sentem o poder distinto de aplicar sua legislação e regulamentos ao evento tributável, e o contribuinte pode ser deixado desamparado e injustamente maltratado, e pode causar retenções na origem e no destino.

Por outro lado, os estados costumam aplicar um imposto sobre a renda gerada por pessoas físicas e jurídicas em seu território que não sejam residentes fiscais dentro dele, por meio de um valor de imposto geralmente denominado IRNR (Imposto de Renda para Não Residentes). Este imposto pressupõe que quando uma pessoa ou entidade opera ou trabalha internacionalmente, este tipo de conflito sempre ocorre a dupla tributação, uma vez que o rendimento pode ser tributado na jurisdição onde foi gerado (por IRNR) ou no país onde essa pessoa ou entidade reside para efeitos fiscais (o critério usual).

O conflito nasce por dois fatos geradores que se sobrepõem: o da fonte dos rendimentos e o da residência do beneficiário dos referidos rendimentos. O imposto sobre não residentes, em inglês denominado "imposto retido na fonte" ou "imposto de retenção", quando aplicado levando em consideração a localização da fonte e, portanto, do pagador da renda e não do destinatário da mesma, causa retenções a serem feitas pelo pagador, portanto, chamadas retenções na fonte, visto que o imposto é retido ou deduzido da receita a receber antecipadamente no país de origem.

Como se não bastasse, na maioria dos estados também existem "retenções na fonte" ou impostos sobre a fonte de renda aplicados aos residentes na referida jurisdição, como as famosas retenções de imposto de renda pessoa física, ocasionando retenções no destino, de forma que um pagador que emita uma renda internacionalmente tenha que pagar e reter a mesma renda duas vezes, contando separadamente quanto dita renda deve ser paga pelo destinatário da mesma.

Para aliviar este problema é porque o acordos de dupla tributação ou CDI entre os diferentes países, no qual é acordado como a receita de operações internacionais é tributada, desde que beneficie as jurisdições e os contribuintes, evitando o pagamento da mesma receita duas vezes. É por isso que CDIs, retenções na fonte e impostos sobre a renda de não residentes ou IRNR são temas ou conceitos que tendem sempre a andar juntos.

No Andorra Insiders já falamos sobre CDI que Andorra assinou com vários países após o processo de abertura econômica feita e isso permitiu que ele se aproximasse de posições. Essas convenções geralmente seguem o modelo da OCDE de modo que, caso seja necessária interpretação, esta se faça com base nisto e se apliquem habitualmente a pessoas físicas e jurídicas, e avaliem os casos nos dois sentidos, estabelecendo em cada um qual Estado tem o poder de tributar o rendimento e como ele deve.

Bem, depois dessa introdução, hoje vamos ver em maior profundidade o CDI de Andorra com Espanha que também você pode verificar aqui, para que possamos ver como a renda é tributada, se as retenções são aplicadas e como são aplicadas, e quando as isenções de dupla tributação podem ser aplicadas devido ao IRNR.

O Acordo de Dupla Tributação entre Andorra e Espanha

Como já dissemos, os CDIs são essencial para um país que quer se abrir internacionalmente, uma vez que facilitam a promoção de investimentos estrangeiros e favorecem a competitividade das empresas nacionais quando operam no exterior. Nesse sentido e após muitas negociações, em 8 de janeiro de 2015 Andorra e Espanha finalmente assinaram CDI, para entrar em vigor em 26 de fevereiro de 2016.

A assinatura deste acordo acabar com o imposto sobre as retenções na fonte que a administração espanhola aplicava às empresas, empresários e trabalhadores residentes em Andorra que desejavam exportar os seus serviços para Espanha, sendo assim um dos melhores incentivos para atrair pessoas, capitais e negócios para o Principado de Andorra.

O CDI atualmente esclarece o tratamento tributário dos seguintes tributos:

  • Imposto sobre as sociedades
  • Imposto de renda pessoal
  • Imposto de renda para residentes não fiscais
  • Imposto sobre ganhos de capital em transferências de propriedade

Conflito de dupla residência

Antes de abordar a aplicação da tributação de acordo com as diferentes receitas obtidas nos países, devemos comentar outro ponto importante que o CDI aborda entre a Espanha e Andorra. E é que cada jurisdição aplica suas próprias regras e requisitos considerar uma pessoa singular ou colectiva como residente fiscal, podendo estes critérios variar e passar o chamado conflito de dupla residência, segundo o qual uma pessoa é considerada residente fiscal em duas jurisdições diferentes ao mesmo tempo.

Como já dissemos, os acordos de dupla tributação também tentam evitar isso estabelecendo um protocolo e um sistema de requisitos comuns a ser seguido para estabelecer onde uma pessoa ou entidade é residente. Grosso modo e sem entrar em mais detalhes, os requisitos a serem avaliados são:

  1. Uma pessoa é considerada residente fiscal do Estado onde tem habitação permanente à sua disposição.
  2. Se você tiver moradia permanente disponível em ambos os estados, o primeiro seria considerado centro de interesses econômicos estabelecer em que Estado reside (onde exerce atividade económica) e no caso de não poder discernir o centro de interesses vitais (isto é, onde você tem as relações pessoais e econômicas mais próximas).
  3. Se o critério 2 não puder ser determinado, ele será considerado residente do Estado onde você costuma passar a noite, onde passo mais noites.
  4. Se ele habitualmente pernoitasse em ambos os Estados, não o fizesse em nenhum deles ou não pudesse ser determinado, seria considerado um residente do Estado do qual é nacional.
  5. Finalmente, se a pessoa fosse nacional de ambos os Estados ou de nenhum, as autoridades competentes resolveriam o caso de acordo mútuo entre eles.

Então, como vemos os critérios são bastante subjetivos, exceto o primeiro, para ter habitação permanente à sua disposição. É por isso que sempre destacamos, lembramos e recomendamos a todos residentes em andorra que, em primeiro lugar, cumpram as suas obrigações, como a de residir 183 dias ou mais no país, e que se dissociam, tanto quanto possível, das atividades anteriores em Espanha. No último, como vemos É essencial ter habitação permanente apenas em Andorra e NÃO na Espanha.

Como evitar a dupla tributação

Antes de começar a ver como as diferentes rendas são abordadas de acordo com sua tipologia, deve-se notar que existem diferentes métodos para evitar ou eliminar a dupla tributação realizada. Embora neste artigo não vamos entrar nas diferenças entre deduções, reduções, bônus, compensações, etc. queremos qualificar a maneira como isso é feito em geral.

A maneira de proceder é a seguinte:

  • Em primeiro lugar, estabeleça se no país ou estado de origem da renda, são sujeito a imposto, às retenções.
  • Se sim, então retenções são estabelecidas que deve ser aplicado no estado de origem da renda.
  • Uma vez estabelecido, no país ou estado onde reside o destinatário da renda, o resultado de Subtrair do valor que esses rendimentos devem ser tributados se o valor pago na jurisdição de origem dos rendimentos foram gerados no referido estado, até o máximo do que seriam tributados no estado de residência (não pode ser negativo).

É por isso que, uma vez que em Andorra em geral a taxa geral sobre os rendimentos tanto das empresas como dos particulares é 10%, quando a renda é retida na fonte em mais de um 10% em Andorra, eles não são tributados, visto que o imposto é totalmente deduzido por se ter pago um montante superior ao que corresponderia se esses rendimentos tivessem sido gerados em Andorra.

Da mesma forma, se um residente espanhol recebe rendimentos recebidos de Andorra, apenas um máximo de 10% pode ser deduzido de seus impostos (IRPF ou imposto sobre as sociedades), que é o que esses rendimentos são tributados na fonte em Andorra.

Tratamento dos lucros da empresa

De acordo com o referido CDI, Os impostos sobre os lucros das sociedades só podem ser aplicados no Estado em que reside a empresa que os obtém, a menos que a atividade de que foram obtidas seja exercida no outro Estado por meio de um estabelecimento permanente (EP). Ou seja, os lucros comerciais das sociedades andorranas são tributados exclusivamente em Andorra, a menos que operem com uma PE em Espanha, que nesse caso será tributada ao Estado espanhol como se fosse uma entidade independente.

Recomendamos acessar o anterior ou pesquisar na internet para saber o que é um link permanente em matéria tributária, desde que possam ter um melhor entendimento.

Assim, anteriormente, quando uma empresa andorrana emitia uma fatura para pessoas físicas ou jurídicas na Espanha, uma retenção de 24% era aplicada pelo IRNR espanhol, e Após a entrada em vigor do CDI, os referidos rendimentos são tributados apenas em Andorra. Por exemplo, para uma fatura de € 10.000 emitida por uma empresa andorrana para uma espanhola:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 24%, € 2.400) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação exclusiva no Principado de Andorra (taxa efetiva de 10% após dedução das despesas).

Receitas de eventos imobiliários e artísticos e esportivos

Por um lado imobiliário, como o próprio nome indica, é considerado no território onde está registradoe, portanto, sua renda deve ser tributada nesse mesmo país. Ressalta-se que as propriedades agrícolas ou florestais estão incluídas nesta menção. O mesmo acontece com eventos ou atividades de atletas e artistas dentro do território de uma jurisdição, que são obrigados a pagar impostos nessa mesma jurisdição independentemente de se, posteriormente, a jurisdição de residência aplica seus próprios impostos sobre os rendimentos recebidos.

A única exceção a este caso é quando o estado de residência financia as atividades de artistas ou atletas por meio de recursos públicos de modo que esta é a principal forma de financiamento da atividade, que apesar de ser exercida no outro estado, é o estado de residência que tem competência para aplicar os seus impostos (o de origem dos fundos).

Por exemplo, para devoluções de imóveis ou um evento artístico ou esportivo normal na Espanha para o qual € 10.000 são recebidos:

  • Antes do CDI: retenções na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 24%, € 2.400) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de dupla isenção fiscal (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação em Espanha (Espanha, 24%, € 2.400) e tributação em Andorra com obtenção de créditos fiscais pelos impostos pagos em Espanha (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).

Por outro lado, se um evento cultural for realizado em Barcelona relacionado com Andorra e financiado principalmente pelo Governo de Andorra:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 24%, € 2.400) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação exclusiva no Principado de Andorra (taxa efetiva do 10% após dedução das despesas ou com isenção de € 3.000 dos rendimentos se for pessoa singular).

Retenções de dividendos de empresas

Apesar da entrada em vigor do CDI, lO recebimento de dividendos ainda está sujeito a retenções, embora a uma taxa bem inferior. Assim, se um residente de Andorra recebe dividendos de uma empresa espanhola, assumindo um montante de € 10.000:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 19%, € 1.900) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 19%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tribute um 5% na fonte (Espanha, € 500) se o beneficiário for uma empresa e participe de pelo menos um 10% da empresa que distribui dividendos e um 15% (Espanha, € 1.500) nos demais casos. Depois disso, em Andorra, podem ser aplicadas as isenções de dupla tributação (a taxa efetiva de 10% sendo 5% em cada país / 15%, apenas na Espanha).

Retenções de ganhos de capital

Este é um dos melhores pontos do acordo de dupla tributação entre Andorra e Espanha, embora seja mais difícil estabelecer o tratamento. Especificamente, está estabelecido que Os ganhos de capital serão tributados exclusivamente no país de residência do destinatário, seja ele pessoa física ou jurídica, exceto nos seguintes casos que podem envolver tributação em ambos os estados:

  • Lucros com a venda de imóveis.
  • Os ganhos com a venda de bens móveis que fazem parte do ativo de um estabelecimento estável.
  • Lucros com a venda de navios, aeronaves ou bens móveis relacionados com a exploração dos mesmos.
  • Ganhos com a venda de ações / participações ou direitos semelhantes em uma empresa em que mais de 50% do seu valor provém direta ou indiretamente de bens imóveis.
  • Ganhos com a transferência de ações representativas de uma participação de, pelo menos, 25% do capital em sociedade não cotada residente no outro estado.
  • Os ganhos com a alienação de ações ou outros direitos que confiram o direito de usufruir de bens imóveis localizados no outro estado.

Assim, deve-se notar que, no caso de ações listadas de uma empresa em um dos estados contratantes, os lucros só serão tributados no estado de residência da pessoa que obtém o lucro.

Portanto, no caso de venda de um imóvel na Espanha, uma empresa não cotada na qual participe em mais de 25% do capital ou uma empresa cujo principal ativo seja um imóvel localizado na Espanha, desde que deixem uma mais-valia de € 10.000 :

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 19%, € 1.900) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 19%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação em Espanha (Espanha, 19%, € 1.900) e tributação em Andorra com obtenção de créditos fiscais por impostos pagos em Espanha (taxa efetiva de 19%, apenas em Espanha).

Por outro lado, se uma pessoa singular ou colectiva residente em Andorra vender acções de uma sociedade espanhola cotada na bolsa ou da qual participe em menos de 25% do capital total, obtendo uma mais-valia líquida de 10.000 euros por mais-valias:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 19%, € 1.900) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 19%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação exclusiva no Principado de Andorra (Taxa efetiva 10% após a dedução de despesas no caso de ser uma empresa, taxa efetiva do 10% com rendimento isento de € 3.000 no caso de pessoa singular por Imposto de renda pessoal).

Tributação de juros e royalties

Com o CDI As retenções aplicadas a todos os tipos de juros e royalties são mantidas, mas desde que os reduz a uma taxa de 5%, a tributação efetiva é reduzida pela dupla isenção de impostos para 10%: 5% na Espanha e 5% em Andorra.

No entanto, esta tributação não se aplica sim:

  1. O beneficiário efetivo das participações ou royalties, residente em um dos Estados, exerce, no outro Estado de onde provêm as receitas dessas participações ou royalties, uma atividade econômica por meio de um estabelecimento estável, e
  2. O direito ou bem gerador dos royalties está efetivamente vinculado ao referido estabelecimento permanente.

Por outro lado, royalties são os valores pagos pelo uso ou concessão do uso dos direitos autorais incluindo filmes cinematográficos e telefilmes, e gravações destinadas à difusão por rádio ou televisão, de patentes, marcas registradas, desenhos, planos, fórmulas ou procedimentos secretos, ou informações relativas à experiência industrial, comercial ou científica.

E, finalmente, há alguns exceções considerar que os juros estão isentos de tributação quando são da administração pública:

  • O juros recebidos por um estado, uma das suas subdivisões políticas, uma das suas entidades locais ou pessoas colectivas de direito público detidas a 100% por estas entidades não podem ser tributadas no estado de origem dos rendimentos de juros.
  • O juros pagos por um desses estados, subdivisões políticas ou entidades locais também não podem ser tributadas.

Assim, supondo que um residente de Andorra obtenha 10.000 € de juros por um empréstimo a uma empresa espanhola ou royalties pela exploração de uma marca em Espanha:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 19%, € 1.900) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 19%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Taxa de 5% na fonte (Espanha, € 500). Depois disso, você é tributado em Andorra pela aplicação de créditos fiscais de dupla tributação (a taxa efetiva de 10% é 5% em Espanha e 5% em Andorra).

Retenções para renda de salário como trabalhador

A chamada renda do trabalho, que inclui salários e outras rendas semelhantes, é sujeitos aos impostos do país de residência de onde são recebidos, a menos que o trabalho realizado tenha sido realizado no outro estado. Além disso, neste último caso, a renda também está sujeita ao país de residência se estas três condições forem atendidas:

  • A pessoa que os recebe permanece no território do Estado onde trabalha por um período ou períodos cuja duração não excede um total de 183 dias em qualquer período de doze meses que se inicie ou termine no exercício fiscal considerado.
  • A folha de pagamento é de um empregador que não resida no estado onde o trabalho foi realizado, ou são pagos em nome de um empregador que não resida nesse estado.
  • A remuneração não é suportada por estabelecimento permanente que o empregador possui no estado onde o trabalho foi realizado.

Assim, se um residente andorrano trabalhar em Espanha durante 5 meses para uma empresa ou pessoa espanhola não residente e receber € 10.000, o seu tratamento fiscal é:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 24%, € 2.400) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação exclusiva no Principado de Andorra (taxa efetiva do 10% após dedução das despesas ou com isenção de € 3.000 dos rendimentos se for pessoa singular).

Administradores e cargos em órgãos de administração da empresa

A remuneração recebida pelos administradores e demais cargos nos conselhos de administração de uma empresa está sujeita a Tributação tanto no Estado de residência do administrador (seja pessoa singular ou coletiva) como da entidade pagadora.

Por exemplo, se um residente de Andorra é gerente de uma empresa espanhola e recebe uma remuneração por seu trabalho nessa posição de € 100.000:

  • Antes do CDI: Tributação na fonte no Estado de obtenção dos rendimentos (Espanha, 24%, € 24.000) e tributação em Andorra, com possibilidade de aplicação de isenções de dupla tributação (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).
  • Depois do CDI: Tributação em Espanha (Espanha, 24%, € 24.000) e tributação em Andorra com obtenção de créditos fiscais pelos impostos pagos em Espanha (taxa efetiva de 24%, apenas em Espanha).

Remuneração, aposentadoria e outros

Embora o tratamento deste tipo de rendimento não seja determinado apenas pelo acordo de dupla tributação, mas também pelo acordo previdenciário entre Espanha e Andorra, em geral, ambos os acordos estabelecem que as pensões de reforma e outras pensões e remunerações semelhantes pagas em relação a um emprego anterior estão sujeitas a impostos exclusivamente no estado de residência do beneficiário, estando, portanto, isentos de retenções. Antes desses acordos, eles eram tributados em ambos os estados.

Quanto aos rendimentos recebidos por trabalhos realizados para um estado ou uma das suas subdivisões ou entidades locais por um residente no outro estado, são tributados neste estado, fonte de rendimentos e onde o trabalho é executado, embora com certas excepções.

Finalmente, também é estabelecido que euOs rendimentos auferidos por alunos, aprendizes ou estagiários não são tributados no Estado onde os estudos são realizados sempre que:

  • Esses aluguéis são para cobrir suas despesas de manutenção, estudo ou treinamento prático.
  • A receita vem de fontes externas a este estado.

Deixe um comentário

Retenções em Andorra e CDI com Espanha | Andorra Insiders

Encontre-nos nas redes

Sobre nós

Andorra Insiders é uma plataforma profissional de serviços jurídicos, tributários e contábeis, especializada na criação de empresas e no estabelecimento de pessoas no Principado. 

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar facebook
Compartilhar twitter
Compartilhar linkedin
Compartilhar telegram
Compartilhar whatsapp

Postagens mais recentes