Compartilhar facebook
Compartilhar twitter
Compartilhar whatsapp
Compartilhar telegram

Pobreza em Andorra e renda familiar

Uma VPN é um componente essencial da segurança de TI, esteja você apenas começando um negócio ou já está em funcionamento. A maioria das interações e transações comerciais acontece on-line e VPN

No dia 29 de dezembro do ano passado, o Secretário de Estado da Diversificação e Inovação Econômica, Marc Galabert, e a diretora do Departamento de Estatística, Joan Soler, apresentaram o Levantamento de Condições de Vida, a estatísticas que relatam distribuição de renda pessoal e risco de pobreza e exclusão social.

Esses dados, que são coletados, redigidos e publicados anualmente, correspondem ao ano de 2019 e foram obtidos por meio de uma pesquisa presencial com um amostra arbitrária de 800 famílias de toda Andorra. Neste artigo, procederemos à análise das conclusões mais relevantes que podem ser extraídas dessas estatísticas.

A renda familiar média aumenta

O próprio Galabert indicou que o inquérito revela o facto de em 2019 o rendimento médio por unidade de consumo ser de 26.245 euros, o que implica um Aumento de 2,9% face a 2018. Do mesmo modo, a mediana cifra-se em 20.370 euros, representando um acréscimo de 1,9% face ao ano anterior.

A distribuição de renda também apresenta diferenças por grupos de idade. Os menores de 16 anos são os que apresentam o menor rendimento por unidade de consumo, com mediana de 18.733 euros e média de 24.027 euros. O grupo dos 16 aos 64 anos tem uma mediana de 20.888 euros e uma média de 26.268 euros, e as pessoas com 65 e mais anos têm uma mediana de 18.732 euros e uma média de 28.742 euros.

O índice de Gini também aumenta

A população também foi dividida em faixas de quintil de renda (agrupando a população em cinco faixas) e concluiu-se que a renda aumentou ligeiramente nos primeiros quintis (naqueles com mais renda) e permaneceram estáveis nos mais baixos. De facto, os quintis superiores (entre 35.413 euros e 23.411 euros por ano) aumentaram o seu rendimento entre 0,11 e 1,10 pontos. Esse aumento implica que eles passaram de assumir 42% da receita total em 2018 para 43,1% em 2019, o que se traduz em um crescimento do índice de Gini (de 34 de 2018 a 35 de 2019).

O índice de Gini assume valores entre 0 e 100 para medir a desigualdade, de forma que 0 indica uma distribuição de renda perfeitamente igual e 100 mostra que a desigualdade na distribuição é máxima. Em qualquer caso, este Também reflete o sucesso de Andorra em sua busca para atrair capital estrangeiro e uma população de alta renda de outros países.

Assim, a diferença de renda não se deve à desigualdade entre as classes mais abastadas em relação às menos favorecidas, mas entre as classes mais ricas e médias. O Governo já aprovou várias medidas que visam melhorar o poder de compra dos cidadãos, como o aumento da hora interprofissional do salário mínimo para o ano de 2021 de um 3,5%.

Além disso, o Conselho de Ministros aprovou o Projeto lei de medidas urgentes em matéria de arrendamento de imóveis urbanos e de melhoria do poder de compra. Um texto que inclui também um aumento de até 3,5% nas pensões do Fundo de Segurança Social de Andorra (CASS) que tenham um valor bruto inferior ao salário mínimo interprofissional e pensões solidárias.

Comparando estes dados com os da União Europeia, verifica-se que os indicadores de desigualdade em Andorra são superiores à média, fato típico de países com níveis de renda mais elevados, como Luxemburgo ou Suíça, conforme detalhado pelo Secretário de Estado.

O aluguel indireto

Como já discutimos em nosso artigo sobre o custo de vida em Andorra, a despesa mais alta a considerar como residente é o aluguel da casa. E é que uma porcentagem significativa de famílias com as rendas mais baixas persiste que continuam a ter um sobrecarga causada pelos custos de habitação, o que significa que eles gastam pelo menos um 40% ou mais do que recebem para cobrir essas despesas de aluguel.

Embora a percepção subjetiva da situação das famílias tenha melhorado, "uma porcentagem significativa de famílias no primeiro quintil persiste com uma sobrecarga de custos de habitação", disse Solé. Em termos gerais, a população com sobrecarga de custo de habitação vai de 13,9% em 2018 para 14,3% de 2019.

Diminui a pobreza grave e relativa

No entanto, como recordou Galabert, um aumento da desigualdade não significa um aumento da pobreza, e foi precisamente o que aconteceu em Andorra, onde a taxa de pobreza é muito menor do que a do meio ambiente.

Em primeiro lugar, podemos usar o limiar de risco de pobreza, que, de acordo com os critérios do Eurostat, corresponde a 60% do rendimento mediano por unidade de consumo. Em 2019 (com dados de rendimento de 2018), o limiar de risco de pobreza para Andorra é de 12.222 euros para famílias com um adulto e 25.666 euros para famílias com dois adultos e duas crianças menores de 14 anos, eA população em risco de pobreza era de 13%, inferior à média da União Europeia de 17% mas maior do que no ano anterior (12,8%).

Embora a mediana de 60% seja o limite oficial de risco de pobreza, outros limites também são calculados para a incidência de pobreza severa (mediana de 40%) ou pobreza relativa (mediana de 50%). Nesse sentido, observa-se uma diminuição em ambas as métricas: a porcentagem da população que vive em pobreza relativa diminuiu de 8,9% em 2018 para 7,2 em 2019. a da pobreza severa passou de 4,4% para 4,1%. Na verdade, a pobreza extrema em Andorra também está abaixo da média da União Europeia.

Privação material de baixa gravidade

Outra métrica do Inquérito às Condições de Vida (LCA) é a privação material grave, cuja proporção em Andorra é de 5,7%, de acordo com os novos critérios introduzidos pelo Eurostat no inquérito de 2019, que tornam impossível compará-lo com o inquérito de 2018 ( 3, 5%) devido à diferença na metodologia. Se os mesmos critérios forem levados em consideração entre 2018 e 2019 há uma diminuição, passando de 4,7% de 2018 para 3% de 2019. Este valor também é substancialmente inferior tanto à média da UE (que está localizada acima de 10%) quanto àquela dos países vizinhos.

O indicador AROPE

O indicador AROPE (Em risco de pobreza e / ou exclusão) pode ser considerado uma combinação dos indicadores de risco de pobreza, privação material e baixa intensidade de trabalho. Este indicador aumenta em dois pontos, de 15,5% para 17,5%, embora isso se deva ao aumento na escala de privação material severa devido à mudança na metodologia utilizada. Em Andorra este indicador é inferior ao dos restantes países europeus, facto que se explica em parte pela baixa intensidade de trabalho.

O secretário de Estado destacou as ações do Governo para reforçar o poder de compra dos cidadãos do país. Destacam-se as ações e programas que vêm sendo realizados pelo Executivo na área social. É o caso da despesa pública com proteção social no país, que ascendeu a 208,7 milhões de euros em 2019, montante que representa um acréscimo de 8,1% face a 2018, quando foram atribuídos 193,1 milhões de euros nesta área.

Deixe um comentário

Renda familiar e pobreza em Andorra

Encontre-nos nas redes

Sobre nós

Andorra Insiders é uma plataforma profissional de serviços jurídicos, tributários e contábeis, especializada na criação de empresas e no estabelecimento de pessoas no Principado. 

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar facebook
Compartilhar twitter
Compartilhar linkedin
Compartilhar telegram
Compartilhar whatsapp

Postagens mais recentes